segunda-feira, 18 de novembro de 2013

QUEM DÁ O QUE TEM . . .

.
Referindo-se às escutas das conversas telefónicas entre Vara e o Zezito, relativas ao processo "Face Oculta", Pinto Monteiro, antigo Procurador-Geral da República para desgraça da  dita República, pôs a boca no trombone da SIC e soprou: "há jornalistas e particulares que têm cópias (das escutas)";  "que ponham as cassetes na Sé de Braga ou no castelo e as transmitam pelos altifalantes, que não há lá nada".
Para além do desrespeito pelo dever de reserva exigível a um alto magistrado jubilado sobre um processo ainda pendente que teve início quando estava no activo, o conselheiro Pinto Monteiro revela elevado nível coloquial,  mais próprio de outras profissões que me abstenho de apontar para não ofender ninguém.
O Presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público considera lamentáveis tais declarações e acha que o Conselho Superior da Magistratura devia pronunciar-se sobre isso. Mal vai a Justiça quando um Procurador-Geral da República, ou ex-Procurador-Geral da República, se comporta de modo a merecer um raspanete do Conselho Superior da Magistratura. É o que temos!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário