domingo, 31 de agosto de 2014

CANTAR A TEMPO

.
[...] António Costa, quando apareceu, tinha uma fama de homem sereno e reflectido, criada num programa de televisão, em que quase não abria a boca e deixava confortavelmente a berrata a Pacheco Pereira. Faziam um excelente par. Pacheco Pereira ficava com a indignação e o excesso e António Costa com a prudência de estadista. Infelizmente, na propaganda das primárias (nas suas voltinhas de candidato que em Portugal nunca variam) está sempre rodeado por um bando de jornalistas sem senso à procura de uma frase ou de uma notícia; e a oportunidade para se aliviar de altos pensamentos é nula, tanto mais que na cabeça dele convivem ideias vagas e mutuamente exclusivas: a da maioria absoluta e a do entendimento com a esquerda radical, por exemplo, ou a da “negociação” com a “Europa” contra Merkel e Hollande. [...]
.
Vasco Pulido Valente in "Público"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário