domingo, 23 de dezembro de 2012

A GUERRA PERDIDA

.


[…] Suspeito que o chefe deste Estado-Maior com poderes delegados pela troika vai rapidamente perceber que é um general sem tropas. Não porque os portugueses não sejam patriotas; não porque os portugueses não estejam dispostos a sacrifícios; não porque os portugueses não estejam até dispostos a ajudar a pagar os desmandos da tropa fandanga que nos governou até aqui.
Passos não terá exército porque, apesar da sua generosidade, os portugueses estão exauridos. A batalha vai longa e o primeiro-ministro em chefe faz questão de nos deixar sem munições: porque vem aí o maior assalto fiscal alguma vez executado sobre os soldados que Passos quer agora no combate; porque vem aí mais um corte nas pensões dos soldados que trabalharam muitos anos e descontaram outros tantos, confiando que o Estado honraria os seus compromissos e serviços à pátria; porque vem aí, dentro de dias, mais uma vaga de falências e de despedimentos que engrossará um exército, sim, mas de desempregados; porque vem aí, dentro de dias, mais uma vaga de notícias sobre fome, seja nas ruas, seja nas escolas. […]

Rafael Barbosa in “Jornal de Notícias”
.

Sem comentários:

Publicar um comentário