domingo, 23 de dezembro de 2012

'FIAT LUX'

.


Eram tempos de grande polémica científica. Dum lado, os defensores do Big-Bang, liderados por Lemaître e Friedmann, inspirados por Einstein; do outro os teóricos do universo eterno, com Hoyle, já aqui referido, Gold, Bondi e outros na vanguarda. Em regra as polémicas científicas têm lugar em workshops universitários, em congressos, nas revistas científicas e por aí fora, mas desta vez, graças aos divulgadores da ciência nos jornais e rádio, e ao apaixonante da matéria, o tema entrou na conversa do cidadão comum.
Matéria desta não podia passar ao lado da religião e a Igreja Católica estava interessada, o mais possível. O Papa Pio XII, que já tinha proclamado aceitar a Teoria da Evolução Biológica de Darwin por não estar em conflito com a doutrina católica, no dia 22 de Novembro de 1951, na Academia Pontifícia das Ciências, falou assim:

Tudo parece indicar que o universo material teve um início preciso no tempo, dotado com vasta reserva de energia em virtude da qual, primeiro rapidamente e depois mais devagar, evoluiu até ao estado presente. De facto, a ciência actual, com visão para os milhões de séculos passados, conseguiu o testemunho do Fiat lux dito no momento em que, com a matéria, brotou do nada um mar de luz e radiação, enquanto partículas dos elementos químicos se desdobravam para formar milhões de galáxias. Portanto, há um Criador. Portanto, Deus existe. Embora não seja, nem explícita nem completa, esta é a resposta que esperávamos da ciência e que a presente geração humana aguardava dela.

A mensagem do Papa, com inexactidões científicas flagrantes à luz do conhecimento actual, manifestava enorme contentamento; não provavelmente por o Big-Bang provar inequivocamente a existência de Deus―que não prova―mas antes por não criar objecções à narrativa do Genesis, sendo compatível com ela.
A mensagem incluía referência ao trabalho de Hubble, da expansão do universo e fez manchete nos jornais do mundo. Elmer Davis, jornalista, ex-director do Gabinete de Informação do Departamento da Defesa durante a guerra e amigo de Hubble, escreveu-lhe  dizendo jocosamente que o facto do Papa se servir dele para provar a existência de Deus o qualificava para ser elevado à condição de santidade.
..

Sem comentários:

Publicar um comentário