quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

POBREZA

.

Bernard Shaw escreveu um dia: "Não percas tempo com questões sociais. O problema dos pobres é a pobreza; o dos ricos é a inutilidade".  
Aristóteles também falou da pobreza para dizer que é a mãe da revolução e do crime; do que se infere que, para o filósofo, crime e revolução eram coisas de ética equivalente.
Desde Aristóteles, muito se tentou para acabar com a pobreza—ironicamente até revoluções—e ela continua aí. E Bernard Shaw achava que as questões sociais eram perda de tempo, em matéria de pobreza e riqueza.
Em que ficamos?, perguntar-se-á. Suspeito que ficamos com os pobres, os ricos, o crime e as revoluções. Afinal, as revoluções, além de crimes praticados em nome de filosofias para acabar com eles, trouxeram o quê? Pouco, nada, ou pior. Sobre o crime não sei nada, parece-me que vai mudando de estilo, mas é actividade pegada de estaca.
É questão política essa, dirão. Aos que assim pensam lembro Chesterton: "Os pobres dizem que são mal governados; os ricos sempre disseram que não quererem ser governados".
E então? Então estamos conversados. Boa noite e até amanhã.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário