terça-feira, 28 de janeiro de 2014

AS APARÊNCIAS ILUDEM !


.
Esta imagem do "Hubble" mostra dois corpos celestes próximos um do outro, na Constelação da Ursa Maior, assinalados pelas setas. São quasars, astros com dimensões maiores que as estrelas e menores que as galáxias, embora emitam mais radiação, particularmente ondas de rádio. Pensa-se que correspondem a regiões dentro de galáxias  onde existe um buraco negro extremamente massivo.
Os mostrados na imagem estão a pouco menos de 14 mil milhões de anos/luz da Terraquase a idade do universoe brilham intensamente. Apesar de terem características em tudo idênticas, eram considerados independentes desde 1979, quando foram descobertos.
Inesperadamente, verificou-se que, afinal, é só um, visto em duplicado! O fenómeno deve-se à presença duma galáxia, a YGKOW G1, a 4 mil milhões de anos/luz da Terra e colocada entre nós e o quasar QSO 0957+561.
Devido à enorme gravidade da galáxia, as radiações oriundas do quasar são deflectidas no seu caminho, fazendo-as convergir na Terra, vindas  de ambos os lados da galáxia, como se mostra na figura em baixo. Tal fenómeno cria duas imagens virtuais, mostradas no esquema mais ou menos careca que desenhei.
É o fenómeno de "lente gravitacional", se é correcto traduzir assim gravitational lensing. Catita!
.
.
A radiação oriunda do quasar, sem o fenómeno da "lente gravitacional" iria seguir em linha recta e não seria visível na Terra. Desviada pela "lente/galáxia", vem ao nosso encontro.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário