segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

VEM NOS JORNAIS

.

Agradeço a quem tem disponibilidade psicológica para ler os relatórios do Tribunal de Contas – essa força de bloqueio – que os autarcas, secretários de Estado e ministros toleram.
De facto, essa força de bloqueio proporciona-nos momentos hilariantes, porque as tristezas não pagam dívidas...
Vejam só que a ARS do Alentejo decidiu adquirir um armário persiana, duas mesas de computador e três cadeiras de costas altas e rodinhas que custaram noventa e sete mil euros... quase cem mil euros. Estas peças devem ser de ouro.
Em Matosinhos, a empresa municipal de habitação gastou 142 mil euros para reparar uma porta de entrada do edifício. Alguém sabe de que é feita esta porta? O Tribunal de Contas não sabe.
A Universidade do Algarve gastou numa viagem aérea até Zagreb, capital da Croácia, durante quatro dias, 33 mil euros. A TAP revelou ao Tribunal de Contas que a viagem de ida e volta custa 1700 euros. Em que foram gastos os 32 mil euros? O Tribunal de Contas também não conseguiu perceber. A câmara de Ílhavo comprou três computadores, uma impressora, dois leitores ópticos e pagou quase 400 mil euros, trezentos e oitenta mil, mais rigorosamente. O Tribunal de Contas ficou bloqueado.
Completamente embriagados ficaram os relatores do Tribunal de Contas quando viram que a Câmara de Loures gastou mais de 652 mil euros em vinho tinto e branco. Certamente não era para distribuir nas escolas.
Mas vá que não vá, porque Loures é uma câmara rica, agora o que se passou na câmara de Sabugal, não dá para entender. O município gastou um milhão e duzentos mil euros para comprar uma viatura ligeira de mercadorias (uma carrinha Renault).
Há coisas fantásticas, não há? Ah, pois há. A câmara de Sines pagou a mesma quantia  um milhão e duzentos mil euros — pelo aluguer de uma tenda para a inauguração do Museu do Castelo. O Tribunal de Contas ficou embasbacado ao perceber que o aluguer de uma tenda custa mais que a carrinha de Sabugal e uma boa casa.
Finalmente, mas em primeiro lugar: a câmara de Beja abriu um concurso para uma fotocopiadora multifuncional e pagou seis milhões e meio de euros. Repito, seis milhões e meio de euros. Este contrato público é um dos mais vergonhosos que se encontra no site do Tribunal de Contas. E ninguém vai preso por obscenidades como esta?
Nós, limitamo-nos todos a ser o bobo da corte, sim, esse mesmo que “… divertia o rei e os áulicos. Declamava poesias, dançava, tocava algum instrumento e animava as festas. De maneira geral era inteligente, atrevido e sagaz. Dizia o que o povo gostaria de dizer ao rei e zombava da corte”. É o que nos sobra fazer.
.
(Com colaboração de António-Pedro Fonseca)
.

Sem comentários:

Publicar um comentário