quinta-feira, 25 de abril de 2013

DE TOMAZ AO ADAMASTOR

,


Cavaco falou. E que disse Cavaco? Cavaco começou, qual Américo Tomaz, assim:

Assinalamos hoje o aniversário daquela madrugada que, ao fim de 48 anos de ditadura, nos trouxe a liberdade e a democracia por que tanto ansiávamos.
Em 2014, iremos comemorar o quadragésimo aniversário do 25 de Abril, blá, blá, blá

Eu acrescentaria que em 2015 comemoraremos o quadragésimo primeiro, em 2016, o quadragésimo segundo e, se as contas não me falham, em 2020, o quadragésimo sexto.
Mas nem tudo foi mau ou caricato naquele arrazoado festivo. A páginas tantas disse:

Se se persistir numa visão imediatista, se prevalecer uma lógica de crispação política em torno de questões que pouco dizem aos portugueses, de nada valerá ganhar ou perder eleições, de nada valerá integrar o Governo ou estar na Oposição”.

Grande verdade! Os políticos vivem a olhar para o umbigo e ainda não perceberam que os cidadãos se estão a cagar para os jogos florais deles. Assim mesmo, com pedido de desculpa pela brutalidade.
E mais adiante:

Reafirmo a minha profunda convicção de que Portugal não está em condições de juntar uma grave crise política à crise económica e social em que está mergulhado”.

Também está bem esta. De que vale tirar o PSD e pôr lá o PS? O PS vai formoso e não Seguro―mesmo nada Seguro, antes pelo contrário. De passo em passo, acabamos outra vez no Zezito.
E para terminar―eu e não Cavaco:

Seria conveniente que o Orçamento do Estado deixasse de ser um instrumento para alterações profundas do sistema fiscal, devendo servir apenas para ajustamentos em função da conjuntura”.

Sim Senhor! Já vai sendo tempo dos portugueses deixarem de se borrar cada vez que ouvem falar do Orçamento. Tal peça é o Adamastor do Século XXI.
. 

Sem comentários:

Publicar um comentário