sábado, 20 de abril de 2013

MANUAL DA ESTUPIDEZ

.

Anselmo Borges escreve hoje no "Diário de Notícias" sobre um livro que tem o título  "As Leis Fundamentais da Estupidez Humana" e que começa por definir esta, por exclusão de partes. O indivíduo que nos causa prejuízo, mas tem benefício com isso é bandido, não estúpido; o que nos beneficia e se prejudica é imbecil; o que todos beneficia é inteligente; o que molesta toda a gente sem ganhar nada com tal comportamento é estúpido. Aí está.
Depois vêm as leis da estupidez propriamente ditas. A primeira diz que cada um subestima sempre o número de estúpidos do universo; a segunda que a probabilidade de uma criatura ser estúpida não depende de nenhuma outra característica, pois há-os em todas as classes; a terceira consiste na própria essência da estupidez, ou seja, o estúpido causa mal sem beneficiar; a quarta postula que os não estúpidos avaliam mal o potencial destruidor dos estúpidos; a quinta diz ser o estúpido o indivíduo mais perigoso para a sociedade e tem um corolário que Anselmo Borges diz ser: o estúpido é mais perigoso que o bandido. E acrescenta:
"De facto, se a sociedade fosse constituída por bandidos, apenas estagnaria: a economia limitar-se-ia a enormes transferências de riquezas e de bem-estar a favor dos que assim agem, mas de tal modo que, se todos os membros da sociedade agissem dessa maneira, a sociedade no seu conjunto e os indivíduos encontrar-se-iam numa situação perfeitamente estável, excluindo toda a mudança. Porém, quando entram em jogo os estúpidos, tudo muda: uma vez que causam perdas aos outros, sem ganhos pessoais, a sociedade no seu conjunto empobrece.
A capacidade devastadora do estúpido está ligada, evidentemente, à posição de poder que ocupa. Entre os burocratas, os generais, os políticos e os chefes de Estado, é fácil encontrar exemplos impressionantes de indivíduos fundamentalmente estúpidos, cuja capacidade de prejudicar é ou se tornou muito mais temível devido à posição de poder que ocupam ou ocupavam. Blá, blá, blá.
Chegado aqui, tive um clarão de compreensão—quase uma supernova; mais que uma supernova—uma galáxia feita só de supernovae: Anselmo Borges estava a falar de situações concretas, não a especular no reino da abstracção.
Veja o leitor se consegue perceber em quem estava ele a pensar. Sei que é difícil mas, concentrando-se, vai lá!

Sem comentários:

Publicar um comentário