quarta-feira, 24 de julho de 2013

O COSMOS E O REI MIDAS

.

Ao princípio era o Big-Bang, o plasma de quarks e gluões, outras partículas subatómicas, energia electromagnética e por aí fora. Depois, vieram os bariões—protões e neutrões—e a seguir o hidrogénio. A gravidade organizou-o em estrelas e estas, por fusão nuclear, fabricaram hélio e, em fim de vida, o carbono, o oxigénio, o cálcio, o ferro, etc., que lançaram no espaço quando morreram e explodiram em supernovae, vindo estes elementos a constituir o nosso mundo, incluindo o ADN, os ossos e o sangue do nosso corpo.
Mas a morte das estrelas não explica a existência de elementos mais pesados, como o ouro, com 79 protões. Investigação recente sugere que as estrelas de neutrões, fruto da explosão de supernovae,  com núcleo de massa imensa e volume pequeno, podem colidir originando elementos pesados em pequenas quantidades,  como o ouro, posteriormente integrados em novos corpos celestes—estrelas e planetas. Tal terá acontecido na formação da Terra. O choque entre estrelas de neutrões é um fenómeno com probabilidade de ocorrer cada 10.000 a 100.000 anos numa galáxia.
Falo nisto porque, sendo o ouro um metal cósmica e biologicamente pouco importante, tem  um valor convencional na Terra que ultrapassa muito o real. Símbolo de riqueza, poder e até  felicidade, usado em alianças de casamento, medalhas de mérito e troféus, e como padrão de referência monetária, pode transformar-se em pesadelo. O cosmos, felizmente, é mais moderado que Midas. 
.

Sem comentários:

Publicar um comentário