terça-feira, 25 de junho de 2013

A MENSAGEM DE CRISTO E O FUNDAMENTALISMO

.
Ontem lia eu um blog, cujo nome já nem me lembro, onde um opinante falava de genocídios, de Stalin, de Hitler, de Pol Pot e por aí fora, para acabar em João Paulo II, a quem atribuía a morte de milhões de seres por SIDA, adquirida por não usarem preservativo. Não lembra ao Diabo tal ideia, pois sobrevaloriza a influência do Papa em regiões como África, onde o problema se põe com maior incidência—nem a influência da opinião papal tem tal relevo, nem nunca seria ela a principal razão  do não uso do preservativo. Mas não é da caspa intracraniana do opinante que me quero ocupar, mas antes do problema ético subjacente à opinião do Papa.
Quase toda a acção tem duplo efeito ético, podendo um ser desejável e o outro não. Às vezes é difícil discernir qual o mais importante. Por exemplo, as bombas atómicas americanas no Japão mataram muita gente e preveniram muitas mortes: nunca saberemos se os bombardeamentos foram bem ou mal feitos. S. Tomás de Aquino condenava o homicídio, naturalmente, mas considerava-o legítimo em defesa da própria vida. Tal homicídio tem duplo valor ético, sendo um legítimo—a preservação da própria vida— e o outro mau, mas aceitável, dada a importância do anterior.
A pergunta é se João Paulo II, em nome de princípios doutrinários duma religião, fez bem em condenar o uso do preservativo nas regiões onde a SIDA é um flagelo endémico medonho, causa das maiores tragédias sociais. Ou melhor:  se Jesus Cristo estivesse no Vaticano, diria a mesma coisa que João Paulo II? Em minha opinião, e do pouco que conheço da Filosofia do Cristianismo, Jesus Cristo não diria o que o Papa disse.
O discurso do Papa teve dois efeitos potenciais, sendo um favorável ao agravamento da situação epidemiológica da doença e suas consequências e outro manter a fidelidade a uma norma cujo objectivo poderá ser respeitável à luz de princípios conservadores, mas sem cabimento neste caso de saúde pública.
Não posso dizer que João Paulo II foi mais papista que o Papa, pois o Papa era ele; mas seguramente foi mais cristão que Cristo.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário