domingo, 30 de junho de 2013

PERDIDOS E ACHADOS

.

João Pereira Coutinho queixa-se hoje amargamente, num dos jornais onde escreve, que foi a Londres e, quando lá chegou, não tinha camisas nem cuecas para mudar porque João chegou, mas a mala não.
Coutinho soa a principiante a um veterano como eu, a quem uma mala desapareceu numa viagem à Irlanda e só voltou a aparecer, na residência em Lisboa, três meses depois, com aspecto de ter andado nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial e participado na Batalha de La Lys. E cujas malas sumiram numa viagem para Itália, onde foi embarcar num navio de cruzeiro, tendo ido para bordo sem as ditas. E a quem chegou a Lisboa, de regresso de Palma de Maiorca, também sem bagagem. E blá, blá, blá.
Pelo exposto se vê que João Pereira Coutinho é jovem e ainda lhe falta aprender muita coisa. Sabe lá ele o que é entrar no armazém de perdidos e achados do Aeroporto de Heathrow e ser confrontado com a mais completa colecção de malas “tipo Samsonite” da galáxia, juntando milhares de especímenes todos iguais, e pedirem-lhe para verificar se a dele está lá. Coisa para “um ataque de nervos”, se não mesmo um infarto do miocárdio maciço e fulminante.
O despacho de bagagem por via aérea é das operações mais emocionantes da vida moderna. Faz parte das actividades que dão sentido à vida e devem ser elevadas à categoria de património da humanidade. Que contribui para maior felicidade que chegar a um aeroporto qualquer e constatar o milagre da sua mala estar lá também?
.

Sem comentários:

Publicar um comentário