sexta-feira, 21 de junho de 2013

HORA A HORA . . .

.

O calendário dos antigos egípcios tinha 12 meses de 30 dias, a que eram acrescentados mais 5 para acertar o ano civil com o ano solar. Cada período de 10 dias era assinalado pelo aparecimento de grupos de estrelas chamados decanos. Quando surgia no céu a estrela Sirius antes do nascer do Sol, na época das cheias do Nilo, importantíssimas para a agricultura, havia 12 decanos no firmamento. O respeito cósmico pelos doze decanos, levou-os a dividir o dia e a noite em 12 partes iguais—as horas temporais.
Como a duração dos dias e das noites era diferente, no Verão as horas do dia eram mais longas e as da noite mais curtas. No Inverno, observava-se o inverso. Só nos equinócios as horas eram iguais de dia e de noite.
As horas temporais foram adoptadas pelos gregos e, mais tarde, pelos romanos que as deram a conhecer à Europa, mantendo-se em uso há mais de 2.500 anos. Se o sistema egípcio se mantivesse hoje, Vítor Gaspar só poderia falar de dia no Verão e de noite no Inverno, sob pena da duração das horas não ser suficiente  para chegar ao fim do discurso—em boa verdade, não se perdia nada.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário