quarta-feira, 26 de junho de 2013

O TEMPO E O MODO

.

Em Maio de 2002, dezenas de relojoeiros reuniram em congresso, em Nova Orleães. Não havia um único mecânico entre eles, nem ninguém falou de "escapes", rodas dentadas, ou "cordas". A conversa andava à volta de espectros, níveis quânticos e outras coisas esdrúxulas. Em boa verdade, nenhum deles era capaz de construir um relógio—na melhor das hipóteses, faria um relógio de Sol mal feito.
Nos últimos quarenta anos, a ciência de medir o tempo avançou a velocidade vertiginosa. Nos dias que correm, um relógio aceitável para tais intelectuais será de césio e custa mais de 40 mil euros. Mesmo assim, é capaz de se atrasar um milionésimo do segundo—1 seg:1.000.000—por mês, coisa inaceitável, pois claro. É mil vezes melhor que o relógio mais preciso de 1975, mas não presta. Um relógio para melhor, neste momento, atrasa-se menos de meio segundo em 14 mil milhões da anos que é a idade do universo. Mas, com essa coisa do tempo variar com a gravidade e  com a velocidade, ainda é um nadinha tosco. Quando voltar a Setúbal, vou perguntar ao senegalês que  vende relógios "Rolex" nas esplanadas se não tem coisa melhor que aquilo.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário